Como Estudar Para A Banca FGV Concursos

Tempo de leitura: 14 minutos

Vamos entender um pouco mais sobre o estilo da banca FGV Concursos.

A preparação correta para conquistar a aprovação em um concurso público passa por diversas etapas, desde a escolha do certame até as últimas revisões e simulados, passando pelo estudo minucioso do edital e do estilo da banca examinadora.

Entender como a banca costuma cobrar as matérias dos concursos é de extrema importância para que se estude com foco nos conteúdos mais exigidos. Cada banca tem o seu jeito de preparar provas e prioriza certos assuntos, com a FGV não é diferente.

Apesar de cada concurso público ter a sua área específica e seu grau de dificuldade, por conta dos cargos oferecidos, as bancas costumam seguir uma linha de cobrança dos conteúdos na maioria dos certames.

A FGV Concursos, por exemplo, espera que os candidatos dominem referenciação textual, assunto muito pouco cobrado pelas outras bancas nas provas de português.

Para que você faça uma boa prova aplicada pela FGV Concursos, preparamos algumas dicas essenciais sobre o estilo da banca em geral e também sobre as principais matérias que aparecem nas provas da Fundação Getúlio Vargas, que são o seu famoso português e o direito, especialmente administrativo e constitucional.

Leia também:

Técnicas de Estudo e Memorização

Principais características da banca FGV Concursos

A Fundação Getúlio Vargas é uma banca famosa por aplicar os exames da OAB, mas também é uma das mais conhecidas pelos concurseiros(as) experientes, principalmente por aplicar algumas provas para cargos em tribunais.

A FGV costuma elaborar provas com graus de dificuldade bem diferentes, mas, mesmo para cargos de nível médio ou com muitas vagas disponíveis, as questões não são das mais fáceis.

Ao estudar para a banca FGV Concursos é preciso se atentar aos detalhes de todos os itens do edital, principalmente das matérias específicas do cargo pretendido, que pode conter surpresas.

É preciso, também, entender sobre a doutrina dos autores sugeridos na bibliografia sugerida no edital.

A grande maioria dos concursos feitos pela FGV são de múltipla escolha, com 5 alternativas em cada questão. Algumas questões exigem teorias e letras de lei puras, sendo preciso memorizar o conteúdo apenas. Outras são mais complexas e pedem mais interpretação, contextualização e conhecimento em detalhes das disciplinas.

Os enunciados das questões são, geralmente, bem longos, com a intenção de testar a capacidade de concentração e raciocínio dos candidatos.

Mas, muitas vezes o texto da questão apresentada não ajuda na sua resolução, ou seja, é melhor ir direto para a pergunta e depois para as alternativas, principalmente se não houver muito tempo para realizar a prova do concurso.

Dicas de Português para a FGV Concursos

As questões de português da FGV podem assustar candidatos que não estão acostumados com o estilo de cobrança da banca.

Alguns tópicos cobrados não são comuns em concursos aplicados por outras organizadoras e também podem aparecer alguns conceitos pouco usados atualmente no ensino da língua portuguesa.

Todos os itens do edital costumam aparecer nas provas de concurso, no português da FGV isso também acontece. É recomendado, então, que se estude tudo, mas dando destaque para alguns temas, sobre os quais você verá a seguir.

Interpretação de textos

A FGV cobra interpretação de textos em boa parte das questões das suas provas de português, cerca de 50%, por isso, é bom treinar bastante resolvendo provas anteriores da banca.

Ao contrário das outras questões, que podem ter o texto introdutório ignorado para ir direto à pergunta, na prova de português da FGV é importante ler com atenção tudo o que está escrito, sublinhando as partes mais importantes e retornando ao texto para ter certeza da resposta.

Veja abaixo um exemplo de questão de interpretação de texto da FGV para você ter uma noção melhor de como a banca cobra esse assunto nos seus concursos.

(FGV Concursos – 2013- AL/MT – Técnico em Informática) Adaptada:

3º parágrafo do texto “Portas Fechadas” de Cristovam Buarque:

A segunda envolve as empresas. Não entra no mundo da inovação o país cujos empresários se limitem a produzir apenas o que é inventado fora, porque têm aversão a investimentos em pesquisas e desenvolvimento ou porque o setor público despreza a inovação ao não vincular seus financiamentos à criatividade da empresa. Para entrar no mundo da inovação é necessário que os incentivos fiscais e financeiros exijam contrapartida criativa das empresas beneficiadas.

Inferem‐se algumas críticas a partir da leitura do terceiro parágrafo. A única crítica que aí não é feita é:

a) falta de criatividade de nossos empresários.
b) pouca ousadia empresarial no Brasil.
c) financiamentos públicos mal dirigidos.
d) empresas beneficiadas por apadrinhamento político
e) desprezo governamental pela inovação.

Resposta: d.

Tipologia textual

Esse assunto não é tão comum em outras bancas de concurso, mas é sempre presente nas provas da FGV. É preciso conhecer todos os tipos de textos e suas características principais.

Os tipos textuais são determinados por sua finalidade e também por sua estrutura gramatical, os principais, de acordo com a linguística moderna são:

· Dissertação
· Narração
· Descrição
· Injunção
· Exposição

Dentro dessas classificações tipológicas, a FGV pode cobrar nas provas de português subdivisões ou, então, finalidades e características dos textos, como, por exemplo: parcialidade e imparcialidade, metáfora e outras figuras de linguagem, teor jornalístico e didático, dentre outras várias qualidades possíveis dentro de um texto.

Exemplo de questão cobrando tipologia textual em uma prova de português da FGV:

(FGV Concursos – 2012 – PC/MA – Farmacêutico) Adaptada:

Trecho do texto “Políticas Públicas de Segurança no Brasil”

Parece que uma das razões do fracasso e da inexistência de políticas nessa área reside num plano puramente cognitivo. A proposição de políticas públicas de segurança, no Brasil, consiste num movimento pendular, oscilando entre a reforma social e a dissuasão individual. A ideia da reforma decorre da crença de que o crime resulta de fatores socioeconômicos que bloqueiam o acesso a meios legítimos de se ganhar a vida. Esta deterioração das condições de vida traduz-se no acesso restrito de alguns setores da população a oportunidades no mercado de trabalho e de bens e serviços, assim como na má socialização a que são submetidos nos âmbitos familiar, escolar e na convivência com subgrupos desviantes. Consequentemente, propostas de controle da criminalidade passam inevitavelmente tanto por reformas sociais de profundidade como por reformas individuais voltadas a reeducar e ressocializar criminosos para o convívio em sociedade.

O texto “Políticas Públicas de Segurança no Brasil” pode ser caracterizado como
a) expositivo, já que o seu objetivo é informar o leitor sobre os aspectos novos das políticas públicas de segurança.
b) argumentativo, porque o seu interesse está em defender ideias sobre as políticas públicas de segurança.
c) descritivo, pois nada mais faz do que caracterizar por meio de muitos adjetivos vários aspectos da política de segurança pública atual.
d) narrativo, visto que expõe em sequência cronológica as várias fases por que passaram as políticas de públicas de segurança.
e) conversacional, já que o autor do texto simula a estruturação de um diálogo entre o leitor e algumas autoridades no assunto.

Resposta: b.

Reescritura de frases

Esse assunto, que aparece sempre nas provas de português da FGV, costuma ser o mais fácil, é o tipo de questão que o candidato deve garantir os pontos.

Muitas vezes, a alteração de significado ou não nas opções da questão são muito evidentes, dispensando conhecimentos avançados.

Porém, convém ler pelo menos duas vezes cada alternativa com atenção e usar os seus conhecimentos sobre alteração de significados pelo uso da vírgula, regência verbal e nominal e pronomes, principalmente.

Confira abaixo um exemplo de como a FGV cobra a reescritura de frases.

(FGV Concursos – 2011 – PC/RJ – Perito Legista) Adaptada:

Analise o fragmento do texto a seguir:

“um grupo levanta a bandeira da preservação ambiental a todo custo”.

Assinale a alternativa que apresenta a forma reescrita do fragmento acima que modifica seu sentido original.

a) Um grupo levanta, a todo custo, a bandeira da preservação ambiental.
b) A todo custo, um grupo levanta a bandeira da preservação ambiental.
c) A bandeira da preservação ambiental é levantada, a todo custo, por um grupo.
d) A bandeira da preservação ambiental é levantada por um grupo a todo custo.
e) Uma bandeira é levantada pelo grupo da preservação ambiental a todo custo.

Resposta: e.

Referenciação textual

Esse é outro tema pouco encontrado em concursos organizados por outras bancas, mas é um dos assuntos preferidos da FGV.

A referenciação textual é um elemento importante para garantir a coesão do texto sem necessidade de repetição de termos, serve para fazer uma referência a algo que foi ou que será dito.

A FGV Concursos cobra referenciação, na maioria das questões, pedindo que o candidato identifique anáfora, que ocorre quando há menção a algo que já foi citado, ou catáfora, que faz referência a algo que será dito.

Veja esse exemplo de referenciação textual em uma prova da FGV:

(FGV Concursos – 2015 – TJ/PI – Analista Judiciário) Adaptada:

“Nesta semana nacional do trânsito pelo menos mil pessoas vão ter morrido nas ruas e nas estradas. Não podemos mais tolerar esses números e, para que isso mude realmente, é preciso que você e cada um de nós sejamos de fato os agentes da mudança na direção de um trânsito mais seguro. Com certeza você pode contribuir para isso, aproveite esta semana para refletir e conversar sobre o tema com seus entes queridos e amigos, afinal, quem morre no trânsito é amigo ou parente de alguém. Ninguém está livre disso”.

Nesse parágrafo do texto 2, há um conjunto de demonstrativos empregados de forma correta. O comentário inadequado sobre seu emprego é:

a) “nesta semana” – a forma “esta” se refere ao momento presente da anunciação.
b) “tolerar esses números” – a forma “esses” se refere ao número de mortos citados anteriormente.
c) “para que isso mude” – a forma “isso” se refere ao alto número de acidentes fatais.
d) “você pode contribuir para isso” – a forma “isso” se refere à mudança do número de mortos.
e) “ninguém está livre disso” – a forma “disso” se refere à possibilidade de ter um amigo ou parente morto no trânsito.

Resposta: d.

Outros assuntos também são comuns nas provas de português da FGV como tempos verbais, adjuntos e complementos, ortografia, sinônimos e antônimos, vocabulário, dentre outros.

É importante analisar o edital com cuidado e estudar todos os itens, mesmo que pareçam incomuns ou que se tratem de conceitos em desuso na língua moderna.

Veja também:

Como Estudar para Concursos

Como montar um Cronograma de Estudos

Dicas de Direito para a FGV Concursos

As provas de direito da FGV não são muito aprofundadas, como as do CESPE ou ESAF, por exemplo, mesmo em concursos públicos para cargos exclusivos para bacharéis em direito, como analista judiciário.

Mas, mesmo assim, é importante estudar muito a disciplinas de direito, principalmente direito constitucional e direito administrativo, que são as matérias mais cobradas na maioria dos certames realizados pela Fundação Getúlio Vargas.

É importante conhecer a letra da lei, já que a maioria das questões de direito da FGV cobram somente o que está escrito nas normas. Outro aspecto importante é a doutrina indicada no edital.

Caso não tenha bibliografia definida, a dica é estudar pela doutrina do professor Hely Lopes, no caso do direito administrativo, já que a banca tem o histórico de usar esse autor como referência.

Em direito constitucional, deve-se estudar a doutrina de José Afonso da Silva. Como não é um doutrinador que possui livros fáceis de estudar, é interessante aprender por questões comentadas sobre a doutrina do autor.

Para as provas subjetivas é ainda mais importante estudar os doutrinadores, porque todas as respostas devem ser bem fundamentadas.

Lembrando que o candidato não deve escrever sobre a sua opinião, como em uma dissertação, e sim explicar a lei, a jurisprudência e a doutrina referentes à questão.

Falando em jurisprudência, a FGV costuma cobrá-la menos do que a doutrina e muito menos do que a letra da lei, mas, é indicado que se leia as últimas súmulas sobre os assuntos mais importantes.

Para você entender melhor como o direito é cobrado nos concursos da FGV, veja estes dois exemplos de questões abaixo.

Direito Administrativo (FGV Concursos – 2016 – IBGE – Analista)

João, servidor público civil estável de fundação pública federal, revelou segredo do qual se apropriou em razão do cargo, por meio de ampla divulgação em redes sociais. De acordo com os ditames da Lei nº 8.112/90, após regular processo administrativo disciplinar, João está sujeito à:

a) advertência administrativa e multa civil;
b) retratação civil e multa administrativa;
c) retratação civil e suspensão administrativa;
d) sanção disciplinar de suspensão;
e) sanção disciplinar de demissão.

Resposta: e.

Direito Constitucional (FGV Concursos – 2016 – IBGE – Analista)

Em matéria de regime jurídico dos agentes públicos, especificamente quanto aos cargos em comissão e às funções de confiança, a Constituição da República dispõe que:

a) ambos são exercidos por cinquenta por cento de servidores de carreira e cinquenta por cento de pessoas não concursadas com livre nomeação e exoneração;
b) ambos são exercidos exclusivamente por servidores de carreira e destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento;
c) os cargos em comissão são providos exclusivamente por pessoas não concursadas, com livre nomeação e exoneração e para atribuições de direção, chefia e assessoramento;
d) as funções de confiança são exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo;
e) os cargos em comissão são providos exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo.

Resposta: d.

A maioria das questões de direito da FGV seguem o estilo que você viu nas duas questões acima, apenas decoreba da lei, sendo essencial que se preste muita atenção no enunciado e em cada palavra e cada vírgula das alternativas.

Estudar para a banca FGV Concursos não é mais complicado do que estudar para a grande maioria das bancas, basta prestar atenção nos itens contidos no edital, lembrar das dicas que você conheceu neste artigo, estudar com material de qualidade e, claro, ter muita dedicação.

Inscrição Guia Prático para Passar em Concursos em até 1 ano

Tenha sempre muito boa sorte na sua preparação e nas suas provas de concursos públicos!

  • Karine Reis

    Oi, garotos . Conheci seu blog faz poucos dias, seus textos são muito bons 💜💜💜.
    Tenho um grande problema com relação à motivação, meu sonho sempre foi passar num concurso. Começo estudando com a corda toda, mas por ser ansiosa que só vendo, principalmente com relação ao trabalho que estou, a problemas familiares, isso me desanima MUITOOOO, não consigo ter a mente livre pra sentar e estudar. Eu amava estudar, mas de uns tempos para cá, está sendo bem complicado sabe, não me concentro, desvio facilmente a atenção, talvez por precisar de resultados imediatos, acabo me prejudicando também. Não sei o que acontece, pois tento seguir bastante dicas com relação a concursos, mas parece que nada adianta sabe. Estou bem desmotivada, espero que ao ler suas postagens eu me motive e consiga de alguma maneira alcançar o que tanto desejo.

    • Pensar Concursos

      Oi, Karine
      Bom saber que você gosta do nosso conteúdo. Quanto a sua motivação recomendo que leia nossa área de motivação do blog, colocamos algumas coisas bem legais por lá. Toma MUITO cuidado também com essa cobrança por resultados imediatos, estudar para concursos é um projeto a longo prazo, talvez isso seja um fator que contribua para a falta de motivação. É bem complicado estar motivado com a cabeça preocupada em resultados rápidos.
      Você precisa aprender a lidar melhor com essa cobrança, uma coisa que sempre recomendamos aqui no blog é a prática de exercícios físicos isso ajuda muito a controlar a ansiedade.

      Forte abraço.
      OBS: Você VAI ALCANÇAR o cargo que deseja, acredite.

  • Katia Marinho

    Oi Vinicios e Fabio, sou iniciante nesse mundo de concursos e estou me preparando agora para o TRT-SC, cargo de técnico. Gostei muito das dicas e estou adorando os conteúdos. Como estou no início da minha preparação vocês teriam, algum curso para que eu possa seguir uma metodologia de estudo exata?

    Um Beijo enorme em vocês!!!

    • Pensar Concursos

      Ficamos feliz que você esteja curtindo nosso cnteúdo Katia, muito obrigado.
      Quanto a questão de ter uma metodologia de estudos vou dar duas indicações para você.
      Se precisa saber exatamente um passo a passo estruturado de como estudar de uma forma geral, acredito que o curso Guia prático vai te dar um norte, dá uma olhada nesse link: http://pensarconcursos.com/descubra-como-ser-aprovado-em-menos-de-1-ano/

      Agora como você disse que estuda para TRTs, recomendo fortemente que conheça o Grupo de estudos do Prof Marcelo Sobral >>> https://www.papaconcursos.com.br/lojavirtual/home

      Um beijão em você também !!!!

  • Louise Reis

    Gostei muito das dicas de português meninos, obrigada mesmo por ter todo esse trabalho de pesquisar para dar o melhor conteúdo.
    Vocês são feras !!!!!

    • Pensar Concursos

      Oi, Louise
      Fico feliz que tenha gostado e muito obrigado por acompanhar nosso trabalho 😀