FOCO

Tempo de leitura: 5 minutos

Você trabalha o seu foco!?

A tecnologia já nos deu muitas coisas incríveis, mas um dos seus efeitos colaterais é a capacidade de viciar e ameaçar o nosso foco, nos puxando para bem longe do que realmente é importante fazer.

Um concurseiro médio, dependendo de como prepara o ambiente de estudo, é distraído a cada 3 minutos. E de acordo com a pesquisa elaborada pela CARNEGIE MELLON UNIVERSITY, depois que você se distrai pode demorar até 25 minutos para recuperar o foco.

Perder o foco é fácil, muito fácil, recuperá-lo é muito difícil.

No entanto, apesar de conhecer os perigos da distração, fazemos muito poucas coisas para nos proteger dela.

É, precisamos mudar isso!

O nosso cérebro está sempre ligado e recebendo informações, o que significa que ele tem que escolher constantemente o que prestar atenção e o que filtrar. Os neurocientistas chamam de “atenção seletiva”, e ela vem em duas formas diferentes:

  1. Foco Voluntário:

Este é o Santo Graal do foco. O foco voluntário é voltado para o objetivo.

Acontece quando você, por exemplo, está estudando para uma prova.

  1. Foco Estimulado:

Quando um pensamento ou algo em torno de você agarra sua atenção.

Acontece quando você, por exemplo, ouve um barulho alto, alguém aparece de surpresa, seu telefone toca…

Percebeu a problemática entre os dois né!? Não somos capazes de controlar o tipo de foco que o nosso cérebro utilizará. Apesar de desejarmos permanecer, sempre, no foco voluntário, por razões óbvias. O foco estimulado é capaz de substituir, em milésimos de segundos, os filtros do nosso cérebro.

Isso é prova que o nosso corpo inteiro está programado para o modo sobrevivência, está no DNA. Observe, os ruídos altos e os movimentos repentinos eram associados, antigamente, a possíveis situações de perigo.

Dessa forma, a nossa mente trabalha no MODUS OPERANDI do foco estimulado, pois a possibilidade de perigo tem, obviamente, prioridade sobre a matéria que estamos estudando.

Estudos mostraram que quanto mais você está distraído, mais difícil é voltar aos trilhos. Mas a ciência não vive só de notícias ruins para os concurseiros, rs! Ela também nos apresentou algumas maneiras de obter o foco voluntário de volta.

Está curioso (a) para saber como recuperar o seu foco?! Continue lendo este artigo!

5 métodos para trabalhar o seu foco:

  1. Trabalhe dentro da programação natural do seu cérebro

Você provavelmente notou que é capaz de ficar mais focado em diferentes horários do dia.

Para a maioria das pessoas, o período de pico de distração ocorre entre as 12h e as 16h.

O nosso cérebro lida melhor com cargas cognitivas difíceis nas últimas horas da manhã (após 10 horas). Neste momento ele está totalmente acordado e nutrido.

Sendo assim, se você se encaixa nesse horário, remaneje suas tarefas mais intensas para o final da manhã.

  1. Faça pausas

Enquanto a maioria de nossas vidas girava em torno de receber o máximo de informação possível, como por exemplo, trabalhar com 15 guias abertas de uma só vez no chrome, atender a telefonemas e ainda ler mensagens no whatsapp…

Aqui há uma antagonia, pois diferente do que se possa pensar realizar diversas tarefas ao mesmo tempo não nos torna melhores no trabalho. Na verdade, o efeito é exatamente o oposto. Lembre-se da razão pela qual a administração pública descentraliza serviços…

Para fortalecer seu foco, encontre um lugar livre de distrações. Pouco importa se esse ponto for a sua casa, uma biblioteca ou um café “SEM WI-FI”, o ponto aqui é dar ao seu foco voluntário uma oportunidade para recarregar.

  1. Esqueça a multitarefa

Conforme conversamos anteriormente, a nossa mente é incapaz de se concentrar em mais de uma coisa por vez, na verdade, ‘MULTITASKING’ significa apenas mudar de uma coisa para outra muito, muito rapidamente. Resultado, para você concurseiro quanto mais mudar, mais energia será usada e quanto mais energia usar, menos terá para se concentrar no que realmente importa.

Experimente, faça uma lista das tarefas que precisam ser feitas em ordem de importância e esforce-se para cumpri-la, tanto quanto possível. Quanto menos coisas você tentar fazer de uma vez, melhor vai trabalhar de forma geral.

  1. Envolva-se na tarefa

Quando você não acredita que a tarefa em questão é importante o suficiente para garantir sua atenção absoluta, seu cérebro começa a processar outros estímulos.

Quando você perde o foco, pergunte se é você ou se é a tarefa. Planeje-se com inteligência e estratégia, identificou que uma matéria é menos atraente, pode ser mais adequado trabalha-la quando você tem mais energia natural, como o final da manhã. Lembra?!

  1. Praticar a atenção plena

O estresse, se trabalhado incorretamente, costuma ser um assassino de foco. E aqui é preciso atenção extra, considerando que estamos propensos a ficar mais estressados quando precisamos nos concentrar.

Há treinamentos para o foco, como a meditação, que nos ensina a lidar com o estresse ou as emoções fortes, por ficarmos mais conscientes do que estamos fazendo e do que estamos pensando.

Tente tomar cinco minutos para si mesmo, escolha um dos seus sentidos e concentrar-se apenas neste. Identifique o que seu corpo e mente estão sentindo, o que você está tocando, cheirando, vendo, ouvindo, provando…

Se você quiser ir mais longe, tente este exercício para ajudá-lo a aumentar o foco no estudo.

RESUMO

No momento em que terminar de ler este artigo, você terá sido distraído pelo menos 2 vezes! rs

Ou seja, perder o foco é perfeitamente normal! Diferente de se conformar com isso!

Dê mais atenção ao seu foco, trabalhe as dicas citadas e não esqueça: crie um ambiente que traz foco para você e não um que tire.

É sempre um prazer lê-los (a) conosco!

Grande abraço e bons estudos!!