10 SUPER DICAS PARA OTIMIZAR A SUA MEMÓRIA [PARTE I]

Tempo de leitura: 13 minutos

Como anda a sua memória?

Bom, a resposta mais honesta que você poderia dar seria: mais ou menos e, ainda assim, mais para menos.

Pesquisas indicam que a memória humana é capaz de lembrar, sem exercitar de maneira correta, apenas de 10% de tudo aquilo que é aprendido. Quer dizer, os outros 90% são esquecidos muito rapidamente, já nas horas seguintes ao aprendizado.

Para o nosso azar não é possível usar esse argumento no concurso, no vestibular, na faculdade ou mesmo naquele momento que você esquece a data de aniversário de namoro. Quem já esqueceu entenderá!rs

Conservar uma memória saudável é importantíssimo, especialmente para quem vive em meio a provas e concursos, pois na maioria esmagadora das vezes o que é avaliado é a capacidade de fixar e reproduzir conteúdo, por essa e outras razões é que você precisa começar a dar mais atenção a sua memória.

Sabemos que a falta de memória ou a dificuldade para memorizar informações muito raramente está ligada a algum tipo de doença, como por exemplo o Alzheimer, sendo, em verdade, um problema bem comum entre jovens e adultos.

Todavia, com o amadurecimento dos estudos na área, foi constatada a possibilidade de otimizar a capacidade de fixar informações utilizando algumas técnicas que venham a facilitar o seu acesso a essa memória e que contribuam com o cérebro no aumento do número de conexões.

E é aqui que chamamos a sua atenção. Otimizar a memória é o cenário que todo estudante deveria buscar, pois alavancaria a aprendizagem e o rendimento nos estudos, refletindo benefícios na vida de uma maneira geral, possibilitando a sua ascensão à almejada “ALTA PERFORMANCE”.

Continue lendo esse artigo e você conhecerá 5 das 10 dicas para otimizar a memória apresentadas aqui no Pensar Concursos e como usar cada uma delas na sua rotina de estudos. São elas:

  • OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #1- Para o processo de otimização da memória ler e ouvir não são suficientes
  • OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #2- Ache dentro de cada matéria um conteúdo que desperte o seu interesse
  • OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #3- Busque o máximo de concentração
  • OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #4- Lembretes na hora certa
  • OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #5- Assim como para os atletas, o descanso também é de fundamental importância para o estudante!

 

OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #1 – Para o processo de otimização da memória ler e ouvir não são suficientes


Para o processo de otimização da memória ler e ouvir não são suficientes

Pergunte a qualquer estudante (aquele que frequenta regularmente curso de ensino fundamental ou médio, universitário etc, em alguma instituição ou qualquer outro curso livre, no qual se pode adquirir alguma habilidade e/ou conhecimento.) ou concurseiro (um estilo de vida, aquele que busca através da realização de um concurso a carreira no serviço público), qual é o seu maior pesadelo? Sem dúvida alguma, estudar durante horas e horas e ao final perceber que não gravou nem metade do conteúdo.

Esse é um problema democrático, que não faz diferenciação entre iniciantes e experientes, simplesmente ataca quem não evoluiu e ainda acredita que a preparação se resume a apenas ler e ouvir.

Diversos estudos voltados ao aprimoramento do estudo indicam que métodos tradicionais como assistir aula, ler material e usar caneta marca texto já não são suficientemente efetivos quando comparados com um concurseiro profissional ou “ALTA PERFORMANCE”.

O “ALTA PERFORMANCE” se diferencia por ter compreendido, em algum momento, que a preparação necessita seguir o ritmo de evolução do mundo.

Ele é capaz de planejar o seu cronograma com uma riqueza de detalhes que o concurseiro tradicional sequer perceberia a importância.

Fascinante, não é mesmo?

Alguns desses detalhes serão abordados ao longo do post, mas podemos antecipar as inovações tecnológicas criadas para facilitar e dinamizar o estudo, a variação do estudo por ciclos, a alimentação com responsabilidade e o treino físico e mental na busca pela harmonia entre corpo e mente.

Ler e ouvir são métodos tradicionais que funcionavam em uma época de escassez de material, de pouca difusão de conhecimento, razão pela qual as bancas examinadoras não tinham a preocupação de, por exemplo, ir tão fundo nos conteúdos, de organizar editais intermináveis etc.

Trate de ficar tranquilo, o caminho é mais simples do que parece, veja:

  1. Inicie com a confecção de um cronograma de estudos completo, contendo, pelo menos, tabela de revisão, horário coringa próprio para suprir acontecimentos não planejados, horário do descanso, da alimentação e da atividade física. Lembre-se a nossa meta é, via de regra, de médio e longo prazo.
  2. Sempre que viável opte por estudar em um ambiente livre de distrações.
  3. Apesar de não ser o suficiente, o método tradicional ainda é fundamental para o processo. Portanto, assista as aulas e leia o material com extrema atenção, grifando pontos relevantes.
  4. Estimule memória fotográfica caprichando nos resumos.
  5. Passada essa etapa, inicie uma conversa com alguém sobre o ponto trabalhado. Isso mesmo, um bate papo! Vá em frente, teste e perceba que se concentrar é muito mais fácil quando tentamos fixar conteúdo conversando com alguém ou mesmo se aventurando a tentar explicá-lo.
  6. Ultrapassada a etapa própria de concatenar as informações, você já estará apto a avançar e começar o processo de memorização avançada com o uso e a criação de mnemônicos, deixe a imaginação fluir. A resolução de questões de provas anteriores e o treino com cartões de memória, excelente para pontos de pura “DECOREBA”.

Perceba não há nada de outro mundo, pelo contrário, é bem simples. Apenas envolve um pouco mais de trabalho. Especialistas no assunto são categóricos em afirmar que apenas ler ou ouvir alguém falando sobre a matéria se torna muito mais suscetível a interrupções ou distrações.

O problema reside no fato da maioria dos concurseiros se preocuparem apenas em estudar, o que os coloca em desvantagem frente a quem expande seus horizontes e busca evoluir na preparação, o chamado concurseiro “ALTA PERFORMANCE”.

Não se sinta triste com tantas novidades, se parou para ler esse conteúdo significa que você está buscando sair da zona de conforto.

 

OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #2 – Ache dentro de cada matéria um conteúdo que desperte o seu interesse


Ache dentro de cada matéria um conteúdo que desperte o seu interesse

Aqui é ainda mais simples, todos sabemos que é muito mais fácil lembrar de algo que nos interessa do que de algo que pouco nos importa. Não é verdade?!

Razão pela qual, se você curte determinada matéria, provavelmente terá mais facilidade para aprendê-la. Porém, mais uma vez, as bancas não nos consultam na hora de montar o edital para saber que matéria cultivamos mais apreço. Sendo assim, você terá a difícil missão de encontrar um enfoque, do seu gosto, dentro de cada matéria e de cada assunto.

 

OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #3 – Busque o máximo de concentração


Busque o máximo de concentração

Nós poderíamos começar passeando no excesso de informação, no design do ambiente, nas novidades tecnológicas… O fato é que a nossa rotina está cheia de obstáculos para alcançarmos a concentração.

Seria injusto eleger, apenas, a tecnologia como bode expiatório para a falta de concentração. Ao contrário do que alguns ainda pensam os recursos tecnológicos, quando usados com bom senso, podem ser de grande valia na produtividade.

Segundo a professora adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Carla Tieppo, o problema não reside no uso, mas sim no mau uso desses recursos.

A professora ainda cita que algumas pessoas acabaram desenvolvendo uma relação de dependência com os recursos tecnológicos. Assemelhando-se a um vício, como se o ato de checar as redes sociais ou trocar mensagens pessoais pelo smartphone despertasse uma sensação prazerosa.

Entretanto, o resultado prático é bem diferente, tais hábitos causam um enorme prejuízo de tempo e energia. Carla Tieppo fornece um dado alarmante: a cada interrupção feita, podemos perder cerca de 7 a 14 minutos tentando voltar à tarefa original.

Quer saber como manter o foco nos estudos? Não há fórmula mágica! As distrações levantadas são vencidas dia após dia com muito esforço e disciplina. A hora de estudar deve ser levada com seriedade. Comece a estabelecer horários para conferir as redes sociais.

 

OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #4 – Lembretes na hora certa


Lembretes na hora certa

Para lembrarmos de algo que aprendemos, existem horas mais propensas e menos propensas. Se precisamos realmente fixar algum conteúdo, não há dica melhor que: estude, estude e estude de novo dali uma hora e depois de 24 horas.

Uma grande ferramenta que poderá auxiliá-lo nesse controle é o PartiuRevisar, aplicativo que possui a finalidade de calcular o tempo que o conteúdo estudado vai começar a se perder, dessa forma, será possível programar a revisão antes de esquecê-lo.

No Brasil, Alberto Dell’Isola, também conhecido como “o homem-memória brasileiro”, conta em seu livro “Supermemória” que o esquecimento é algo normal do cérebro, mas há formas de combater esse incômodo.

Segundo Dell’Isola, diversos estudantes o procuram insatisfeitos com a qualidade de suas leituras, a maior causa dessa insatisfação é que após alguns poucos dias já não são capazes de lembrar mais do que leram. O especialista garante que essa situação nada tem a ver com o processo da leitura em si, mas sim com a chamada “curva do esquecimento”.

Descoberta em 1885 pelo filósofo alemão Hermann Ebbinghaus, a curva do esquecimento mostra quantas informações nosso cérebro é capaz de reter passado o tempo depois de estudar por uma hora.

curva-do-esquecimento

A curva se inicia no zero, contando o momento um pouco antes de iniciar o período de estudo. Ao final da leitura do conteúdo, a curva atinge o ponto máximo, o que significa que ele se lembra de 100% do assunto ensinado.

É fácil perceber que a curva vai caindo com o passar dos dias. Por exemplo, no segundo dia após ter estudado o conteúdo e caso tenha deixado de fazer a revisão, o estudante já terá perdido aproximadamente 50% de tudo o que aprendeu.

Dell’Isola explica que a maior perda de informações se concentra nas primeiras horas. Ou seja, ao final de um mês, restará apenas vagas lembranças despertando a impressão de nunca ter estudado aquele conteúdo.

“O nosso cérebro é uma máquina programada para descartar informações com pouco ou nenhum uso”.

Gostou do assunto? Então continue acompanhando os próximos Posts para descobrir os passos para driblar essa curva!

 

OTIMIZAÇÃO DA MEMÓRIA #5- Assim como para os atletas, o descanso também é de fundamental importância para o estudante!


Assim como para os atletas, o descanso também é de fundamental importância para o estudante!

Como costumava dizer o escritor inglês Aldous Huxley “toda forma de excesso traz, em si, o germe da autodestruição”. Planejar os seus estudos dedicando todo o tempo do seu dia única e exclusivamente para estudar não é a melhor das estratégias.

Os seres humanos, neurologicamente falando, necessitam de intervalos entre suas atividades, sejam elas quais forem, sendo tal fato atestado por diversas pesquisas.

Na ânsia de dar o máximo, muitos chegam a dedicar cerca de 15 horas do seu dia ao estudo e acabam fazendo isso sem qualquer pausa significativa. Entretanto, o nosso corpo funciona como uma máquina e para alcançarmos a nossa melhor forma, a “ALTA PERFORMANCE”, é preciso haver um mínimo de harmonia entre a mente e o corpo.

O cansaço deve ser levado em consideração no planejamento do seu programa de estudos, uma vez que é responsável por gerar a perda de concentração e, consequentemente, reduzir a produtividade e o rendimento.

Cada um possui o seu tempo, entretanto, pesquisas nos ajudam a entender que reservar ao menos 10 minutos para cada hora estudada ajuda a retomar a concentração. Esse tempo de intervalo deve ser usado em atividades secundárias como hidratação, alimentação, ir ao banheiro, conversar com pessoas, alongar o corpo, tomar banho, ou seja, você deve sair do ambiente de estudo!

Outro ponto importante que ajuda a manter a mente saudável é reservar um tempo na semana destinado a aproveitar com os amigos e familiares, sem excessos é claro. Nessa hora é importante conseguir doutrinar a mente, a esquecer a rotina do dia a dia e aproveitar o momento de descontração, sem qualquer tipo culpa.

Para quem tem a oportunidade, use o recurso do cochilo depois do almoço, pois servirá de auxílio na fixação do que foi estudado. É claro que esse cochilo deve integrar a sua grade de planejamento, de forma que obedeça aos horários de início e término.

Sabemos o quanto é difícil pensar em descanso quando se tem uma infinidade de matérias para dar conta, mas, se bem administrado, ele pode garantir a longevidade do seu bom rendimento.

Por outro lado, dormir demais pode dificultar o retorno do foco e concentração nos estudos.

Nada em excesso faz bem, então aprenda a conhecer os seus limites e saiba respeitá-los. Fique atento aos sinais da mente e do corpo.

 

CONCLUSÃO:


Para concluir o artigo, é importante advertir que nenhum método de estudo, por melhor e mais inovador que seja, será capaz de levá-lo (a) a posse se não for combinado com muito trabalho duro, transpiração e determinação de alcançar o objetivo.

Objetivos que devem ser pensados a médio e longo prazo, razão pela qual chamo a sua atenção à saúde.

Lembre-se: Para que as dicas deem resultado, as pessoas além segui-las devem adaptá-las a sua rotina. Isso facilitará a introdução e a aceitação do que for novidade.

Na segunda parte do artigo, completaremos esse material mostrando mais 5 super dicas para otimizar a sua memória.

Caso tenha gostado das primeiras dicas, compartilhe-o nas redes sociais e não deixe de ler a segunda parte.